<$BlogRSDURL$>
Avenida dos Aliados
sábado, maio 15, 2004
  Crescente.
A noite vai calma e serena. Os aromas quentes e apaladados do Sul começam a invadir a Invicta, como o fazem todos os anos a partir de Maio. Agora, o Mediterrâneo parece logo ali, ao dobrar da esquina.



Assim, procuro um refúgio, local de sombras e mistérios, que os jardins do Porto me vão oferecendo. A Praça Sá Carneiro, antiga Praça Velasquez, ainda mantém no seu jardim em Crescente, decalcamento feliz da britânica e termal cidade de Bath, os encantos e segredos que outros jardins do Porto têm perdido. Estas árvores, que hoje de madrugada fotografei, eram as minhas balizas dos jogos de Domingo à tarde com o meu pai, depois do café no "Bom Dia". O pó, que lentamente cai com os segundos de um relógio antigo, dentro de um armário de madeira, cobre as cassetes que registam os filmes do meu Tio Jorge, em Super 8, onde eu, verdadeiro Lance Armstrong em potência, iniciava uma possível carreira no mundo velocipédico. Não se veio a confirmar...
Na minha memória, com a mesma cor desbotada e a mesma trôpega cadência das imagens, habitam alguns dos espaços verdes recentemente perdidos do Porto.
É por isso que, nunca esquecendo o que fizeram à Cordoaria, devemos estar vigilantes e atentos às manobras que, também elas ocultas e pouco transparentes, se vão fazendo na esventrada Rotunda da Boavista. Prevê-se o pior. JRP
 

sexta-feira, maio 14, 2004
  Lembrar os nossos. (5)
Já que no post anterior fui percorrendo os caminhos próximos mas confusos entre a Terra e a Pátria, não resisto a recordar mais uma frase sobre a "nossa" cidade:

"Nasci no Porto. A cidade, os seus arredores, as praias próximas, descendo para o Sul, permanecem para mim a pátria dentro da pátria, a Terra materna, o lugar primordial que me funda". - Sophia de Mello Breyner Andersen

É mesmo uma sensação inexplicavelmente fecunda quando conseguimos encontrar alguém que, através de um talento e uma sensibilidade intermináveis, consegue exprimir em palavras o que sentimos na alma. JRP
 

quinta-feira, maio 13, 2004
  Oriental, Terra Patrum...
No livro Uma Família Inglesa, Júlio Dinis escreve que "o bairro central é o portuense, propriamente dito; o oriental, o brasileiro; o ocidental, o inglês".
Dinis referia-se às 3 faces que o Porto oitocentista começava a desvendar, com os bairros periféricos a associarem-se à implantação britânica, no caminho para a Foz, no que se refere ao Ocidental, e à presença dos regressados brasileiros que pintavam a Nascente da Invicta com os seus azulejos de um colorido baço.
Eu sempre fui mais oriental. Os meus caminhos pelo Porto, sobretudo na minha infância, foram feitos nas ilhas de São Victor, com os lanches na minha avó, e nos percursos a pé por São Lázaro e Poveiros em direcção a Santa Catarina. Foi nas arborizadas Ruas Novas (Barão de São Cosme, Duque da Terceira, Duque de Saldanha,...), como ainda lhes chama o meu avô, apesar destas serem de finais do século de oitocentos, que fui caminhando em direcção ao café tardio de Domingo vespertino, pela mão dos meus pais, parando, por vezes, no urinol de ferro do Largo de Soares dos Reis, obsessão natural de uma criança encantada pela diferença e pelo pitoresco.
O cemitério era logo ali, presença constante e vigilante, pela qual ainda me atemorizo, e que, a meu ver, funciona como os olhos do anúncio do Doutor T.J. Eckleburg, na obra maior de Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby, que, no topo da colina junto a West Egg, simbolizavam a própria justiça divina que, apesar de cega, tudo vê.



Jamais me esquecerei de em tempos ter lido, numa edição da década de 40 da revista O Tripeiro, alguém que se referia ao seu baptizado na Igreja do Bonfim. Esse antigo leitor, por estes dias seguramente enterrado no cemitério do Prado do Repouso, recordava o facto de o acontecimento ter ocorrido na antiga Igreja, que, no final do século XIX, foi substituída pela actual. A Igreja que o leitor de O Tripeiro mencionava é a que está na imagem acima, no topo do Monte de Godim, ao cimo da Rua do Bonfim, tal como era em meados do século XIX. Depois de quase toda a minha família ter lá casado, também eu fui baptizado no Bonfim, mas obviamente na Igreja actual. Bem lá no fundo, onde a alma é curva, sei que há um rastilho de orgulho em saber que um dia, que espero bem longínquo, eu possa novamente acompanhar o caminho do antigo leitor de O Tripeiro. JRP
 

quarta-feira, maio 12, 2004
  Já só falta um mês
para o início do Euro 2004.



E o arranque é no Porto, no Estádio do Dragão. JRP
 

  Hoje é a Véspera
do 13 de Maio, dia de aparições e outras joelhadas no asfalto. Vamos salvar a semana com uma boa promessa, a estreia do Milagre Segundo Salomé, filme de Mário Barroso, adaptado do romance homónimo de José Rodrigues Miguéis.
E por falar em Miguéis, apetece-me:
Em terra de cegos, quem tem um olho o melhor é vazá-lo. MBP
 

  Insanidade.
Definitivamente, o país está à beira da loucura.
Depois das brincadeiras do Ministério da Educação no concurso para os professores que acabaram com a anulação dos mesmos, do "entra e sai" da prisão no escândalo Casa Pia, das declarações insanas do Dias da Cunha, das capas obsessivamente anti-Porto (cidade e clube) do Expresso, e de, ontem, o sargentão seleccionador nacional ter revelado, ao JN, não se lembrar de quando foi o último jogo que viu do Futebol Clube do Porto, reclama-se imediatamente uma camisa-de-forças do tamanho de Portugal.
Ainda por cima, o futuro não parece risonho. Aliás, tudo indica que o nosso estado mental só pode piorar: hoje, a RTP transmite o Festival da Eurovisão da Canção. Assim, não há salvação possível... JRP
 

terça-feira, maio 11, 2004
  As Jóias da Castafiore.
Volto a utilizar a última vinheta de um álbum como uma das minhas preferidas. E a escolha foi difícil... em As Jóias da Castafiore os desenhos de Hergé são quase todos simbólicos: o olhar de Haddock pelo espelho, em direcção à cantora italiana, a colocação dos ciganos nos jardins do palácio, a investigação de Tintin no sótão de Moulinsart ou as lágrimas generalizadas no fim do visionamento da televisão do professor Girassol (lágrimas essas que determinados autores acreditam serem ainda consequência da última vinheta do álbum anterior, Tintin no Tibete, que curiosamente abordei no último post sobre o Tintin).
A vinheta é, tal como a anterior, pouco ortodoxa. Não é oval, ainda que as referências ao ovo sejam permanentes ao longo do livro (afinal, a própria jóia é uma gema de esmeralda oval), mas rectangularmente rodeada por pássaros.



Um mocho, uma pêga e um papagaio juntos. A presença dos pássaros na obra de Hergé é transversal. Não há qualquer álbum em que eles não apareçam. Na verdade, os pássaros aparecem, por vezes, como contorno fundamental da trama: os irmãos Pardal, no Segredo do Licorne, ou o Pelicano do Ceptro de Ottokar, entre muitos outros. Estes três, contudo, já não são novidade para os leitores. Papagaios são presença constante ao longo da série, evocando quase sempre os antepassados de Haddock, através da repetição dos impropérios: "raios e trovões" ou "com mil milhões de macacos" (não será o Yeti, do último post, também um grande macaco?). A pêga já havia aparecido na Ilha Negra onde, à imagem do As Jóias da Castafiore, pratica um roubo que ajuda ao desenvolvimento da história... curiosamente a ária, que Castafiore vai interpretar a Milão, dá pelo nome de "La Gazza Ladra". E finalmente o mocho, que habita no sótão, local privilegiado de memórias, mistérios e segredos.
São três pássaros como eram três Licornes que deviam estar "unydos". Mas foi no quarto degrau que Haddock tropeçou como era a quarta a dinastia Ottokar.
Não me vou perder em simbologias e numerologias, mas podem acreditar que apenas comecei a desenrolar o novelo pela ponta.
Para mim, longe de conjecturar qualquer lógica mais complexa enquanto criança, esta vinheta representava sempre uma boa gargalhada e, em dias mais cinzentos, o valor da amizade e da lealdade. Obrigado, Tintin e Nestor, por me terem sempre amparado nas quedas. JRP
 

  Post It!
Ele chama-nos simpáticos (e, por acaso, até somos...), correctos (vamos tentando), falíveis porque humanos (incontornavelmente), misteriosos (ainda bem!) e obsessivos (permanentemente). Falo de Ricardo Salazar do blog Via Rápida, o melhor anfitrião da blogosfera. Ele vai estar como DJ no Café na Praça, no dia 21 de Maio, sexta-feira, pelas 23h00, na festa "Retro Electro For the K.K.Kids", provavelmente comemorando o aniversário da vitória em Sevilha. O Café na Praça fica no Clérigos Shopping, antiga Praça de Lisboa, mesmo junto à Torre protagonista do post anterior. Já agora, Ricardo, como não gostamos só de Waterboys, não te esqueças de pôr a "This Charming Man" de Manchester. É que o Homem está de volta!
O Avenida dos Aliados sugere ainda uma visita ao Inatel, no Porto, onde decorre uma exposição de pintura de outro amigo talentoso, o pintor Rui Tavares. Dêem lá um salto, entre as 9h30 e as 17h30, e não darão o tempo por perdido. Jamais me esquecerei da instalação que montaste, Rui, na Casa do Alto, na Maia. A atmosfera fantasmagórica, auxiliada pelo trecho da música Pornography dos inultrapassáveis "The Cure", e as páginas rasgadas dos livros da minha vida, tornaram a experiência inesquecível. O Avenida dos Aliados marcará, obviamente, presença na Casa Jorge de Sena, delegação do Inatel, na Rua do Bonjardim, no Porto. JRP
 

domingo, maio 09, 2004
  Lenta escadaria.
Fotografia tirada por mim, hoje, às 02 horas e 13 minutos.



Os morros da Pena Ventosa e da Vitória aconchegam a Praça da Ribeira, justificando a origem do "Porto d'Abrigo".
Após breve ausência no Sul, ela recebe-me assim... De onde estou, a cidade à minha frente afigura-se-me como uma lenta escadaria para o céu, terminando em caracol. De uma forma adocicada, a silhueta revela-me o caminho para o destino. Ecoam na minha mente as palavras de Jorge de Sena: "Para a minha alma eu queria uma torre como esta". Lá em cima, se eu me esticar bem alto, sentirei seguramente as abas de um véu. E dali, debaixo das estrelas, eu vejo o mar. JRP
 

  Inquiridores Mores
Segundo este artigo, o governo de Washington terá aprovado, em Abril de 2003, um conjunto de técnicas de tortura a aplicar nos prisioneiros do campo de concentração da Baía de Guantanamo. Contudo, é de realçar que tanto o Pentágono, como o Departamento de Justiça dos EUA mostraram ser organizações conscienciosas, pois recomendam que as torturas devam ser feitas sempre na presença de um médico. Penso que este pormenor de cinismo terá sido inspirado na velha relação estabelecida entre a medicina e o sacerdócio.
Apesar de tudo, sinto que a tortura maior é saber que deixamos o mundo ao cuidado dessas mãos. MBP
 

Do Porto, pelo Porto, para o Mundo.
A Praça Nova está de volta!
Que trema o país...
Blog gerido por Jorge Ricardo Pinto (JRP) e Mário Bruno Pastor (MBP). Qualquer dúvida, insulto, comentário ou tentativa de extorsão, contactar: aliados.blog@portugalmail.pt

Arquivo
2004/04/11 - 2004/04/17 / 2004/04/18 - 2004/04/24 / 2004/04/25 - 2004/05/01 / 2004/05/02 - 2004/05/08 / 2004/05/09 - 2004/05/15 / 2004/05/16 - 2004/05/22 / 2004/05/23 - 2004/05/29 / 2004/05/30 - 2004/06/05 / 2004/06/06 - 2004/06/12 / 2004/06/13 - 2004/06/19 / 2004/06/20 - 2004/06/26 / 2004/06/27 - 2004/07/03 / 2004/07/04 - 2004/07/10 / 2004/07/11 - 2004/07/17 / 2004/07/18 - 2004/07/24 / 2004/07/25 - 2004/07/31 / 2004/08/01 - 2004/08/07 / 2004/08/08 - 2004/08/14 / 2004/08/15 - 2004/08/21 / 2004/08/22 - 2004/08/28 / 2004/08/29 - 2004/09/04 / 2004/09/05 - 2004/09/11 / 2004/09/12 - 2004/09/18 / 2004/09/19 - 2004/09/25 / 2004/09/26 - 2004/10/02 / 2004/10/03 - 2004/10/09 / 2004/10/10 - 2004/10/16 / 2004/10/17 - 2004/10/23 / 2004/10/24 - 2004/10/30 /

ADETURN
AEP
Agenda do Porto
ANE
ANJE
APOR
Área Metropolitana do Porto
Arquivo Distrital do Porto
Associação Comercial do Porto
Associação das Universidades da Região Norte
Associação do Porto de Leixões
Associação de Amigos dos Animais do Porto
Ateneu Comercial do Porto
Boavista Futebol Clube
Câmara Municipal do Porto
CCRN
Coliseu do Porto
Conservatório de Música do Porto
DREN
Eixo Atlântico
Exponor
Fantasporto
Federação Académica do Porto
Feira do Livro do Porto
FDZHP
Fundação Serralves
Futebol Clube do Porto
Governo Civil do Porto
Instituto Politécnico do Porto
Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto
Instituto Orff do Porto
Jornal de Notícias
Jornal Digital do Norte
Jornal Voz Portucalense
Metro do Porto
ntv
O Comércio do Porto
O Jogo
O Norte Desportivo
O Primeiro de Janeiro
Palácio da Bolsa
Porto Convention Bureau
Porto de Partida
Porto Digital
Porto Tours
Porto Turismo
Porto XXI
Porto 2001 - Casa da Música
Rádio Nova
SMAS
Sport Club do Porto
Sport Comércio e Salgueiros
STCP
Teatro de Marionetas do Porto
Teatro Nacional São João
Tribunal da Relação do Porto
Universidade do Porto

Blogs
A Baixa do Porto
A bordo
Abrupto
A Chama do Dragão
Acuso! "1"
Adufe.pt
Alberto Velasquez
A Montanha Mágica
A Nicotina do Sonho
A Outra Margem
Avatares de um Desejo
Aviz
Azia do dia
Barnabé
Bateria da Vitória
BioTerra
Blasfémias
Blog de Esquerda (II)
Blogoexisto
Blogopédia
Bloguida
Cabo Raso
Carago... sim, Carago!
Causa Liberal
Cine-Teatro Avenida
Comboio Azul
cravo e canela
Critica do Norte
Cruzes Canhoto
Curva
Daedalus
desNorte
Dias com Árvores
Do Portugal Profundo
Educação Accionária
encapuzado extrovertido
Esperança Portista